Água e Sal

“Meu filho, coloque esta pedra de sal num pote com água. Voltamos a conversar amanhã cedo”.

O menino faz o que seu pai pede.

No dia seguinte, o pai diz:

“Traga aquele sal que você colocou na água ontem”. …
“Não posso pai, ele está dissolvido”. “Muito bem, então, prove a água. Como está?”
“Salgada, pai, muito salgada”.
“Prove água do centro do pote. Como está?”
“Salgada, pai, muito salgada”.
“Prove água da outra beira. Como está?”
“Salgada, pai, muito salgada”.
“Então, vá jogar essa água lá fora e venha para conversarmos mais”.

Svetaketu assim faz.

“Você jogou a água na terra, mas o sal ainda existe. Da mesma maneira, no nosso corpo físico, não podemos enxergar a Consciência-realidade-amor, embora ela esteja sempre presente. Essa é a essência sutil que está presente em tudo e em todos. Essa Consciência é Brahman, o Ser, e você é Isso”.

[Diálogo da Chāṇḍogya Upaniṣad.]
Tradução de Pedro Kupfer

Deixe seu comentário